Candidíase Vaginal – O que é? Tratamentos e Sintomas

Existem diversos problemas que podem afetar a saúde da região íntima feminina. A candidíase vaginal é um deles, sendo bastante frequente. Então, para saber um pouco mais sobre essa patologia, continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Vamos lá?!

O que é Candidíase Vaginal

A candidíase vaginal é uma infecção bastante comum para as mulheres, ocasionada pelo aumento da contagem do fungo Candida Albicans, que vive normalmente na região intima da mulher, mas que se desenvolve em demasia em algumas situações.

A candidíase é uma situação mais frequente em pessoas que possuem o sistema imune mais fraco, com é comum em grávidas ou pessoas com patologias específicas, como diabetes, maus hábitos de higiene, bem como quando há uso excessivo de medicamentos corticoides ou antibióticos.

Causas da Candidíase Vaginal

A principal causa da candidíase vaginal é a proliferação exagerada do fungo chamado Candida Albicans. Vale lembrar que esse fungo já existe normalmente na flora vaginal, mas em pequenas quantidades.


Entretanto, existem fatores que podem ocasionar um desequilíbrio do organismo, fazendo com que o fungo se reproduza em demasia, sem ser combatido, e levando ao aparecimento dos sintomas.

Vale lembrar que a região genital feminina é a bastante úmida e quente, o que a torna uma área bastante propícia para a proliferação dos fungos.

Fatores de risco

Falando de uma forma mais geral, a Candida albicans tende a se proliferar em situações específicas, tais como:

  • Diminuição da acidez da vagina, ou seja, aumento no pH da região
  • Mudanças na flora microbiana da vagina
  • Mudanças hormonais
  • Sistema imunológico comprometido

Além disso, alguns fatores de risco são bastante conhecidos para a candidíase vaginal, sendo que os mais importantes, são:Candidíase vaginal

  • Uso recorrente de medicamentos com ação antibiótica, pois cerva de 25% a 30% das mulheres que fazem uso de antibióticos de amplo espectro, desenvolvem um quadro de candidíase.
  • Diabetes Mellitus: mulheres com diabetes, especialmente as com glicemia cronicamente mal controlada, estão mais propensas a desenvolver vulvovaginites.
  • Alterações hormonais: quando os níveis de estrogênio estão muito altos ou muito baixos eles causam interferência na flora vaginal, aumentando o risco de candidíase.
  • Imunossupressão: mulheres com doenças que levam à imunossupressão, como o HIV, ou que fazem uso de drogas imunossupressoras apresentam maior risco de desenvolvimento de candidíase vaginal.

Sintomas da Candidíase Vaginal

Os sintomas decorrentes da candidíase vaginal, de uma forma geral, aparecem sempre que a imunidade do organismo é comprometida ou está baixa, e são:

  • Corrimento branco parecido ao leite coalhado
  • Coceira intensa
  • Sensação de ardência na área íntima
  • Dor e ardência durante a relação sexual
  • Inchaço e vermelhidão na área vaginal

Vale lembrar que nem sempre esses sintomas se apresentam todos de uma vez e pode ser que o quadro comece apenas com um corrimento, por exemplo.

No entanto, o mais importante é que as mulheres com esses sintomas procurem um médico e obtenham um diagnóstico correto para iniciar o tratamento de forma adequada.

Diagnóstico

Para fazer a detecção da candidíase vaginal da maneira correta, normalmente só é preciso um exame clínico, lembrado que os sintomas específicos podem aparecer apenas no período do fluxo menstrual.

Além disso, o diagnóstico também pode ser feito por exame microscópio pelo próprio médico no consultório, ou através do Papanicolau.

Tratamento da Candidíase Vaginal

O tratamento da candidíase, normalmente, é feito com o uso de medicamentos antifúngicos em pomada ou também antimicóticos de uso local.

Caso seja o caso de uma candidíase vaginal recorrentes, o médico pode sugerir o uso de medicamentos orais para que o problema não retorne. Além disso, são recomendadas algumas medidas, tais como:

  • Evitar calças que apertem ou abafem a região vaginal, como as de jeans
  • Não realizar duchas vaginais
  • Não fazer uso de desodorantes íntimos
  • Não ter relações sexuais no decorrer do tratamento
  • Fazer uso de camisinha

Essas indicações juntamente com o uso de medicamentos específicos, são o tratamento mais recomendado para esse problema, lembrando que o tratamento deve sempre ser indicado pelo médico, visto que cada organismo é único.

Tratamento caseiro

Um excelente tratamento caseiro para o problema da candidíase vaginal é realizar uma lavagem da região íntima com água e vinagre na proporção de 4 colheres de sopa de vinagre para meio litro de água.

Além disso, alguns outros cuidados caseiros podem ser tomados para ajudar no tratamento da candidíase, tais como:

  • Lavar a região vaginal antes de dormir
  • Dar preferência para roupas de algodão e que não sejam apertadas
  • Preferir alimentos considerados probióticos e com lactobacillus
  • Dormir sem usar calcinha
  • Lavar a região vaginal com um gel íntimo que tenha o pH entre 3,8 e 4,5, evitando outros produtos e sabonetes com químicos e perfume.

Também vale evitar os alimentos que são ricos em gordura, carboidratos e açúcar, visto que são a principal fonte alimentar do fungo que causa a candidíase vaginal.

Prognóstico (convivendo)

Quando o problema se torna recorrente, é comum que isso seja causado por fatores não ginecológicos, tais como estresse, má alimentação e imunidade baixa. Nesses casos a mulher passa a ter que conviver constantemente com o problema, embora as causas devam ser investigadas.

Para isso é preciso dormir bem, cuidar a higiene, apostar nos alimentos que são ricos em vitaminas A e D e evitar situações de estresse, bem como fazer uso de medicamentos somente nos momentos de crise.

Candidíase Vaginal fotos

Candida

Candida Albicans

Pergunta dos leitores

Candidíase Vaginal é transmissível?

Embora não seja considerada uma Doença Sexualmente Transmissível, a candidíase vaginal pode ser transmitida sim pelas relações sexuais.

Quais os sintomas da Candidíase Vaginal na pele e nas unhas?

Os sintomas da candidíase nas unhas tendem a ser bem visíveis, tornando fácil a detecção logo no começo do problema.

O primeiro sintoma de todos é, normalmente, a proliferação dos fungos. Causa vermelhidão em volta da unha e é acompanhado de dor, durando cerca de 2 dias.

Pode haver ainda a presença de pus próximo da cutícula e caso não seja tratado, a pele que fica embaixo da unha também pode ser contaminada. Nesse caso a unha pode ficar mais fraca, irregular ou ficar repentinamente dura.

Já na pele, na candidíase cutânea, as áreas afetadas podem apresentar os seguintes sintomas:

  • Descamação
  • Vermelhidão
  • Erupções
  • Coceira
  • Excreção de um líquido transparente

Vale lembrar ainda que caso ocorra coceira, o paciente não deve coçar o local visto que isso pode levar ao aumento da ferida e facilitar a transmissão, além de tornar o tratamento mais demorado.

Candidíase pode ocorrer nos homens?

Sim! Cerca de 14% a 18% dos homens também podem apresentar infecção por cândida em sua região genital e não apresentarem quaisquer sintomas disso.

Candidíase Vaginal tem cura?

Sim, a candidíase é uma patologia completamente tratável e curável, embora possa ser recorrente.

Quais os remédios para Candidíase Vaginal?

O principal é que os medicamentos para o tratamento da candidíase devem possuir ação antifúngica, a fim de eliminar o seu desenvolvimento. Os mais utilizados nesses casos são fluconazol, cetoconazol e nistatina.

Normalmente os medicamentos de via oral são utilizados em casos mais graves, visto que atuam de forma sistêmica.

Além disso, ainda existem medicamentos de dose única, para a candidíase masculina, para a candidíase intestinal, e pomadas, que são para tratar a candidíase vaginal de forma local.