O Que é Espinha Bífida? Quais as Causas? Tem Tratamento? Sintomas

A espinha bífida é o nome geral da doença que apresenta dois tipos: a espinha bífida oculta e a espinha bífida cística, sendo que este último tipo se subdivide em meningocele e mielomeningocele. Elas são malformações congênitas que o bebê pode desenvolver durante as primeiras quatro semanas de seu desenvolvimento na barriga da mãe.

A espinha bífida se caracteriza por apresentar uma falha no desenvolvimento da coluna vertebral do feto, causando uma formação incompleta da medula espinhal e das estruturas que protegem essa medula espinhal. De forma geral, a espinha bífida ocorre na parte final da coluna dorsal do bebê, criando um inchaço nas costas dele e tem como possíveis causas a deficiência materna de nutrientes durante a gravidez ou herança genética.

A espinha bífida não pode ser curada com tratamentos. A única opção para quem sofre com essa malformação é se submeter a cirurgia para reintrodução e fechamento do defeito na coluna vertebral, porém a cirurgia nem sempre evita as complicações decorrentes dessa doença.

Dependendo do tipo que o paciente tem, a criança pode apresentar paralisia dos membros inferiores e/ou incontinência urinária e fecal.  No caso de paralisia dos membros inferiores, a fisioterapia para espinha bífida é uma ajuda no tratamento e pode ajudar no processo de promoção da independência a essa criança. Nem todo tipo de espinha bífida causa problemas na criança acometida, como é o caso da espinha bífida oculta, que não está ligado necessariamente a problemas de saúde.


Abaixo veremos os dois tipos.

Espinha bífida em dois estágios

Espinha bífida oculta

Esse é tipo menos agressivo da doença e como geralmente não apresenta problemas neurológicos, nem outros problemas relacionado a doença,  pode passar despercebida. A espinha bífida oculta é caracterizada pela presença anormal de cabelo e uma mancha na região próxima ao cóccix.

Esse tipo é caracterizado pelo fechamento incompleto da coluna vertebral. Mas diferente dos outros tipos não há envolvimento da medula espinhal e das estruturas que protegem essa medula. Por isso os pacientes acometidos, normalmente, não apresentam problemas relacionados a doença.

Espinha bífida cística

Este tipo da doença se caracteriza pelo fechamento incompleto da coluna vertebral, onde há o envolvimento da medula espinhal e das estruturas que a protegem. Nesses casos, a principal evidência da doença no feto é uma saliência formada nas costas dele.

Esse tipo se subdivide em:

Meningocele

A forma mais leve do tipo espinha bífida cística. Onde a saliência formada envolve apenas as estruturas que auxiliam na proteção da medula espinhal. Ficando a medula espinhal dentro das vértebras, como é normal.

Mielomeningocele

A forma mais grave do tipo espinha bífida cística. Pois a saliência formada tem parte das estruturas que protegem a medula espinhal e a saliência encontra-se aberta. Neste tipo, o bebê acometido apresenta problemas neurológicos, podendo causar também problemas como problemas na locomoção, incontinência urinária e fecal. Alem de paralisia nas pernas, alterações da sensibilidade abaixo da lesão e problemas de aprendizagem. Normalmente está relacionado com a hidrocefalia.

Espinha Bífida em diferentes tipos

Causas de espinha bífida

As causas de espinha bífida ainda estão em estudos e não se tem 100% de certeza sobre elas. Mas acredita-se que as causas mais comuns são baixa quantidade de ácido  no organismo da mãe. Ou até fatores genéticos, deficiência materna de zinco, ingestão de álcool durante os primeiros 3 meses de gravidez. Também a diabetes durante a gravidez da mãe.

Fizemos duas listas de alimentos para evitar o aparecimento causada por deficiência nutricional. Acompanhe abaixo:

Alimentos ricos em ácido fólico

Fígado de galinha cozido, fígado de peru cozido, levedo de cerveja, fígado de boi cozido, lentilhas, quiabo cozido, feijão-preto cozido, espinafre cozido, soja verde cozida e macarrão cozido

Alimentos ricos em zinco

Ostras cozidas, a carne de boi assada, o peru cozido, a carne de vitela cozida, o fígado de frango, as sementes de abóbora, o feijão de soja cozido, o cordeiro cozido, a amêndoa e o amendoim.