Meningite Bacteriana – O Que é? Quais os Sintomas? Tem Cura?

A todo o momento a mídia nos chama atenção para que tenhamos uma vida plena e saudável. Desta forma, nos alerta a procurar sempre ajuda médica a fim de não nos descuidarmos da saúde. Várias são as doenças que podem se desenvolver sem as devidas precauções. A meningite bacteriana, por exemplo, é uma delas.

A meninge, por se tratar de uma membrana protetora de agentes infecciosos externos, necessita de todo cuidado para manter-se protegida e evitar que a meningite bacteriana aconteça.

Esta não é uma doença simples, podendo levar a morte caso não seja bem tratada, por isso fique atento para identificar os principais  sintomas e saber como se tratar.

O que é Meningite bacteriana?

A meningite bacteriana é a forma mais comum da doença. Cerca de 200 mil a 1 milhão de casos ocorrem no mundo por ano.


A meningite bacteriana constitui a inflamação da meninge que é a membrana  responsável por revestir o cérebro e a medula espinhal.

Este tipo de meningite é o mais grave, por isso requer muitos cuidados e principalmente atenção aos sintomas para iniciação do tratamento em tempo hábil.

várias bacterias

Sintomas de Meningite bacteriana

Os sintomas da meningite bacteriana se desenvolvem muito rapidamente, em média até 24 horas após a contaminação. Desta forma, requerem ações rápidas para iniciação do tratamento.

Se você começar a sentir febre a cima do normal, deve começar a se preocupar. Este é um dos sintomas de quem contrai a meningite bacteriana. Dor intensa de cabeça e também ao virar o pescoço deve ser investigada, porque também constitui sintomas da doença. Com a dor no pescoço, poderá ocorrer rigidez nos movimentos do músculo.

Cansaço e apatia não devem ser confundidos com algo natural, principalmente se forem constantes e intensos. Náuseas e vômitos, geralmente com jato forte, pode caracterizar meningite bacteriana. Manchas na pele nem sempre ocorrem, mas pode ser identificada pelos tons avermelhados e roxeados.

Além disto, se apresentar forma maculopapular, ou seja, manchas que não somem quando são pressionadas, deve ser investigado.

Sensibilidade a claridade e aos sons também são sintomas da meningite bacteriana. Confusão mental mental, ocasionalmente poderá ser vinda com desmaios e Ataxia (caminhar como se estivesse bêbado).

Sintomas em Bebês

um cartaz falando sobre a meningite bacteriana

Se faz necessário investigar os sintomas também em bebês. Como são novinhos, o organismo responde de maneira diferente.

Por isso, irritabilidade, choro muito forte,febre alta e repentina, convulsões, dor de cabeça forte que não passam com os medicamentos convencionais e moleira dura e tensa devem ser investigados.

Além destes, vômitos, falta de apetite e sede também ocorre com os pequenos.

Se faz necessário maior atenção com as crianças, pois os sintomas podem se confundir com gripes e resfriados. Desta forma o tratamento não será iniciado a tempo.

A ida ao médico fará com que o diagnóstico seja feito e o tratamento terá mais chances de sucesso.

Causas

Algumas bactérias como Atreptococcus pneumoniae, Listeria monocytogenes e Staphylococcus aureus podem causar a meningite bacteriana.

Na maioria das vezes essas bactérias vivem por muito tempo encubadas na pele, mas acabam, por um motivo ou outro se desenvolvendo e atingindo o sistema nervoso central.

Idade, imunidade baixa, fratura no crânio, cirurgias neurológicas, celulites também podem desencadear a meningite bacteriana.

Sequelas

Se o tratamento for feito adequadamente não ocorrerão sequelas. Caso contrário, as principais são:

  • Problemas leves na audição ou até surdez;
  • Paralisia de membros;
  • Dificuldade de aprendizagem;
  • Convulsões;
  • Paralisia Cerebral;
  • Deficiências similares à sequelas de derrame;
  • Hidrocefalia.

 

Fatores de risco

Alguns fatores podem ser responsáveis pelo surgimento da meningite bacteriana.

  • Idade. A meningite bacteriana afeta mais crianças de até 5 anos, mas se for causada por bactérias, então adultos de entre 20 a 30 anos são os mais afetados;
  • Pacientes que passaram por cirurgias neurológicas;
  • Acidentes que provocaram traumas na cabeça;
  • Imunodepressão;
  • Infecções recentes, principalmente se tiverem ocorrido na parte respiratória ou nos ouvidos;
  • Utilização de drogas injetáveis;
  • Pessoas com sistema imunológico baixo podem contrair com mais facilidade a doença;
  • Mulheres grávidas correm mais riscos de contrair listeriose. Infecção provocada pela bactéria Listeria Monocytogenes presente na meningite.

Diagnóstico

duas bactérias da meningite

O primeiro passo é procurar um clínico geral para, através de uma conversa, entender o histórico do paciente e prescrever quais exames deverá fazer.

Os exames incluem:

  • Exames de sangue para realizar a cultura de bactérias;
  • Punção Lombar. O exame irá examinar o fluido espinhal através de um microscópio;
  • Rais X e Tomografia que identificarão sinais de infecção no corpo

Além deste, a tomografia do crânio e análise do liquor (líquido que passa por dentro da coluna) são os diagnósticos que os médicos pedirão.

Através desses exames é possível precisar quais antibióticos terão melhores efeitos.

Possíveis complicações

A meningite bacteriana pode trazer algumas complicações tais quais:

  •  Perda da audição;
  • Distúrbio de linguagem;
  • Retardo mental;
  • Anormalidade motora;
  • Distúrbios visuais;
  • Falência dos rins;
  • Problemas de reprodução;
  • Morte.

Tratamento de Meningite bacteriana

A meningite bacteriana não é uma doença simples, portanto, quando não tratadas podem ser levadas a óbito.No entanto, há tratamento, e quando realizado corretamente  leva à cura sem sequelas.

Por ser um tratamento que requer atenção para que seja seguido a risca, este é feito no hospital com internação e isolamento nas primeiras 24 horas. Após este período de isolamento, o paciente ainda deve aguardar em média 14 dias para receber alta do hospital.

O tratamento consiste na administração de antibióticos intravenosos. Estes antibióticos variam de acordo com o tipo de bactéria contraída. Os mais comuns são a penicilina, G. Cristalina ou Ampicilina, Cloranfenicol ou Ceftriaxone. Se o antibiótico for para uma criança o médico poderá administrar o Prednisona. Algumas vacinas também ajudam no tratamento da meningite bacteriana.

Fique atento a essas informações e cuide-se!

Prevenção

um cérebro com meningite bacteriana

Fazer uso das vacinas disponíveis para o Pneumococo, Haemófilos e Meningococo  tipo C ainda é a melhor prevenção. Mas, mesmo com as vacinas a doença ainda pode ocorrer.

Para não passar por esta rotina de tratamento algumas prevenções podem e devem ser tomadas:

  • Não ter contato íntimo com quem contraiu a meningite;
  • Realizar em crianças e adultos as vacinas periódicas;
  • Lavar sempre as mãos antes das refeições;
  • Não fazer uso compartilhado de copos e talheres;
  • Evitar estar em locais fechados como shoppings e cinemas que tenham muita gente e onde é mais fácil o contato;
  • Ferver todos os alimentos. As bactérias responsáveis pela meningite não sobrevivem a temperatura de 74°C;
  • Evitar tocar nos olhos.

É extremamente importante manter a higiene corporal, bem como o ambiente limpo e arejado para evitar proliferação de fungos e bactérias.

O sistema imunológico requer muita atenção, por tanto tomar muita água, manter uma alimentação regrada e fazer uso de exercícios físicos ajudarão a manter-se saudável.

Caso alguém próximo a você estiver com meningite bacteriana recomenda-se tomar antibióticos por 2 a 4 dias a fim de proteger-se da doença.

Pergunta dos leitores

Meningite bacteriana é contagiosa?

A meningite bacteriana é altamente contagiosa e infecciosa, podendo ocorrer tanto em crianças como em adultos.

Embora não não se transmita com tanta facilidade, como é caso da gripe, o contato com quem tem meningite bacteriana deve ser evitado.

Qual a transmissão da Meningite bacteriana?

Por se manifestar com a presença de fungos e bactérias, estas podem passar de uma pessoa a outra através da respiração e pequenas gotículas e secreções da nasofaringe. Portanto, neste período é imprescindível evitar contato íntimo ou contato direto com as secreções respiratórias do paciente.

Além disto é importante saber que muitos indivíduos que têm a bactéria não as desenvolvem, mas podem passá-las através das vias respiratórias a outras pessoas e estas podem acabar desenvolvendo a doença.

Meningite bacteriana tem cura?

Sim. Seguindo o tratamento corretamente, que vai desde vacina a antibióticos a cura ocorre em 100% dos casos.

Meningite bacteriana pode matar?

Sim. Por se tratar de bactérias presentes no organismo, se estas não forem  eliminadas com o tratamento correto poderá levar a morte do paciente.